1 de junho de 2008

Momento falta do que fazer: Grande abraço

.


Começando do final,

Pois é no fim que se começa,

A espera não é eterna,

Ela tarda a findar.


Tornar-me-hei, sim, ternura

Da suave formosura,

Das palavras duras

Que a diferença encarregou-se de criar.


Certo estou que dos céus ela chegará,

Acalentará o "desmetricado" coração

E algarviará o verde-amarelo com vermelhidão.


Sarará.

Sara há.

Será!



Obs.: Este vai em homenagem ao Grande mano George, e dedicado à décima terceira estrofe.